segunda-feira, 22 de junho de 2015

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 330 - Por Luiz Domingues


Quando novembro chegou, a nossa primavera não poderia estar mais florida...

Com a nova demo finalizada, assim como o material gráfico e fotográfico, agora estava nas mãos do Miguel tomar as providências cabíveis para que nós mudássemos de vida, ou melhor dizendo, começássemos a mudar.

Ele certamente tomou suas providências, e assim, os tais telefonemas estratégicos que havia arrolado em sua agenda, foram efetuados.

A primeira investida dele foi com Rita Lee.

Mas não foi de primeira que conseguiu êxito, levando uma boa canseira da "Rainha do Rock". Foram diversos telefonemas realizados e sempre esbarrando no filtro de uma assessora/produtora, e nunca falando diretamente com a ruivinha.

Até que enfim, conseguiu que Rita lhe retornasse em pessoa, mas a resposta que ela deu frustrou-o, e logicamente à todos nós...

Alegando estar num momento difícil, com a recente perda de sua mãe, dizia estar sem cabeça para fazer nada, e sua carreira estava no "stand by", até segunda ordem, por motivo de luto.

Bem, tal justificativa para não nos auxiliar naquele momento, era justíssima, e não cabia nenhuma contestação de nossa parte.

Só lamentamos, naturalmente, pois se Rita havia perdido o bonde da história, artisticamente falando, desde o final da década anterior, naquele instante dos anos oitenta, tinha ao contrário, um prestígio midiático e popular enorme. Portanto, sua intervenção, como boa vendedora de discos que era naquele ponto, teria sido um reforço e tanto para as nossas pretensões.

Sem Rita como madrinha, partiríamos para o "plano B", de pronto, mas Miguel mudou sua estratégia, e decidiu abordar André Midani diretamente, temendo que pudéssemos perder ainda mais tempo se Erasmo Carlos também demorasse a se pronunciar, aceitando ou não, nos apadrinhar.

Então, ligando para o mandatário máximo da Warner, agendou encontro da banda com ele, quando o material seria analisado, então.

Empolgadíssimos ficamos, é claro...

Após diversas tentativas que fizéramos, desde 1984, e errando sempre na abordagem, é bem verdade,  finalmente chegaríamos com um material em condições, e agora, com uma mão pesada a nos introduzir, na figura de um empresário com entrada nos bastidores da mídia e indústria fonográfica. 

Mais que isso, Miguel era amigo de Midani e certamente que tal fator seria um agente facilitador nesse processo de nossa admissão enfim, numa gravadora multinacional de grande porte. Estaríamos com um pé dentro de uma gravadora major, enfim ?

Era o que nós dimensionávamos, logicamente...e tal perspectiva contaminou-nos de uma forma contundente, eu diria.

Como não acreditar que nossa hora chegara, diante de tantas evidências alvissareiras ?

Então, Miguel deu ordens para Sonia e Toninho prepararem toda a logística de nossa ao Rio de Janeiro.

A ideia seria Sonia e Toninho nos acompanharem nessa missão, e dessa forma, a viagem foi planejada.


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário