quarta-feira, 10 de junho de 2015

Autobiografia na Música - Sidharta - Capítulo 31 - Por Luiz Domingues


Um dos últimos momentos engraçados com o Zé Luiz ainda na banda, rendeu uma história insólita, que não poderia deixar de ser contada. 

Aconteceu logo no início de 1999, quando fomos visitar um estúdio de ensaio no bairro de Pinheiros, zona oeste de São Paulo. Era um bom estúdio, muito bem montado e próximo à Rua Butantã, perto de onde hoje fica o Sesc Pinheiros. 

Haviam várias salas de ensaio, com equipamento de muita qualidade etc etc. 

Então, o filho da dona do estabelecimento, que era guitarrista de Heavy-Metal (nessa banda tocava o vocalista inglês radicado em São Paulo, chamado Paul Di 'Anno), quis nos mostrar a sala de gravações, onde costumavam gravar fitas demo de ensaios. 

Estava ocupada naquele momento, mas ele insistiu e quis nos mostrar assim mesmo. Eu fiquei constrangido, pois sei que visitas, quanto mais de estranhos, numa sessão de gravação, são super inoportunas. 

Mesmo assim, ele nos levou. 

Quando entramos na sala (estávamos eu; Luiz Domingues, Zé Luiz, e Rodrigo), vimos que era uma sessão de gravação de vocais de uma banda de Heavy-Metal melódico, e logo reconheci ao lado do técnico, a figura do guitarrista do Angra, Rafael Bittencourt, que claramente estava no posto de produtor da banda.

O guitarrista da banda de Heavy-Metal, Angra, Rafael Bittencourt, que produzia a banda em questão, naquele momento

Não me lembro mesmo quem era a tal banda, pois como sabem, ignoro o mundo do Heavy-Metal, e se esses garotos ficaram famosos depois disso, me perdoem pela gafe, mas não saberia dizer quem são. 

Mas o fato realmente surpreendente dessa história, não tem nada a ver com a tal banda, nem com o guitarrista do Angra. 

Havia um co-produtor envolvido nessa produção, e sua figura não poderia ser mais insólita : Clodovil Hernandes !!!

Era bizarro, mas o estilista/político e apresentador de TV, Clodovil Hernandes, mandava parar a gravação do vocalista a todo instante, fazendo observações subjetivas, e com isso, dando a entender que realmente estava dirigindo-o !! 

E tem mais : fazia isso longe da mesa de mixagem, deitado num sofá, gesticulando com aquele frescor que lhe era típico... 

Então, numa pausa, o filho da dona do estúdio (que por sinal era uma cantora veterana de Bossa Nova, mas cujo nome esqueci completamente, infelizmente), nos apresentou àquelas pessoas. 

O Rafael fez menção de me conhecer e eu cumprimentei à todos com acenos, discretamente. Mas o Zé Luiz teve o impulso de apertar a mão de todos e nessa circunstância, se dirigiu também ao sofá, e apertou a mão do Clodovil. 

Um certo constrangimento deve ter pairado no ar, pois o Rodrigo acabou tendo o mesmo impulso e fez o mesmo a seguir.
Feito isso, saímos rapidamente e depois que deixamos o estúdio, na rua, conversávamos sobre as impressões de cada um sobre o mesmo, quando nos demos conta de que o Zé Luiz não tinha percebido que o homem do sofá era o Clodovil !!! 

O Rodrigo falou : -"Zé, não é possível !! Você não percebeu que cumprimentou o Clodovil ??" 

Aí ele respondeu : -"Não, nem o reconheci...mas bem que eu vi que era uma "bichona" deitada no sofá, e depois que apertei a mão dele, vi que era mole, igual de mulher..."   

Ha ha ha !!!

E lhe garanto amigo leitor, essa distração do Zé era famosa. No tempo da Chave do Sol, aconteceram algumas vezes, e no capítulo adequado, tenho uma outra confusão ótima dele, envolvendo uma figura famosa do BR-Rock 80's, e que ocorreu em 1986 (tal aventura já está contada no capítulo da Chave do Sol).


Continua...  

Nenhum comentário:

Postar um comentário